Início > Carreira > Educação, meio ambiente e sustentabilidade – Parte II

Educação, meio ambiente e sustentabilidade – Parte II

Oi. Publico a segunda parte da reportagem que produzi sobre educação, meio ambiente e sustentabilidade, postada originalmente no Blog Educação www.blogeducacao.org.br. A segunda etapa da matéria trata de boas práticas em educação ambiental.

Boas práticas em educação ambiental

Ação do Coletivo Alma na Cohab II

Ação do Coletivo Alma na Cohab II

O sinal de que as pessoas têm passado a olhar e a agir em prol de um desenvolvimento mais sustentável está em algumas práticas realizadas Brasil afora. Em Miraí (MG), município da Zona da Mata mineira, foram organizadas pelo Parceria Votorantim pela Educação – PVE, em conjunto com as secretarias de Educação e do Meio Ambiente, atividades comemorativas do Dia do Meio Ambiente (5 de junho), que envolveram todas as escolas da cidade.

“A gente montou um estande na praça principal e fez uma blitz educativa. Todo carro que passava ganhava um ‘lixocar’, com mensagem sobre a importância da coleta seletiva. Em paralelo, ocorreu a caminhada ecológica  com mais de 400 estudantes dos seis colégios do município, com faixas, apito e muito barulho. Quando chegaram à praça, onde ocorria a blitz, foi feito um concurso de paródia e cada escola apresentou uma música sobre o meio ambiente. Todos os alunos foram muito criativos e dinâmicos”, conta Larissa Marinho, analista ambiental da área de Saúde e Segurança do Trabalho da Votorantim Metais, de Itamarati de Minas.

A ampla participação dos moradores de Miraí em resposta às ações em prol do meio ambiente revelam como o projeto foi bem visto não pela comunidade. “Até municípios vizinhos, como Cataguases e Muriaé, acharam a ideia interessante e querem repetir as ações. Foi um ótimo trabalho de conscientização. Acho que conseguimos conquistar nosso objetivo. Nada melhor que trabalhar com crianças para que elas possam crescer com essa mentalidade de preservação”, diz a secretária de Educação de Miraí, Maria do Carmo Oliveira e Silva Trota.

Arte e meio ambiente

Ação do Coletivo Alma na Cohab II

Ação do Coletivo Alma na Cohab II

Outro exemplo de ação local é o Coletivo Aliança Libertária Meio Ambiente – ALMA, que atua na Cohab José Bonifácio, em Itaquera, Zona Leste de São Paulo. Formado na maioria por moradores do conjunto habitacional, o Coletivo observou um grande desperdício de materiais por parte dos moradores, o que fez o grupo desenvolver uma ideia de incentivar os moradores a separar o lixo em seus prédios e a doar para uma cooperativa de reciclagem. A iniciativa cresceu, exigindo um trabalho mais contínuo e, assim, foi criado o projeto Cohabitarte, desenvolvido entre 2011 e 2012, com verba do Especial do Meio Ambiente, da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo.

Nesse projeto foram realizadas oficinas artísticas sobre meio ambiente para crianças e adultos, com atividades nos prédios, contação de histórias, apresentações teatrais, musicais e de artes plásticas. “Queríamos incentivar os moradores a criar e a cuidar dos jardins, integrando os moradores para aquele fim. Também levamos grupos dos prédios para visitar parques estaduais, como o da Cantareira e do Jaraguá, que a maior parte da população não conhecia. O mote usado foi o lazer, mas aproveitamos para falar sobre urbanização, falta de áreas verdes e da fauna. E a gente sentia que causava um envolvimento grande nas pessoas”, descreve Alexandre Falcão de Araújo, integrante do Coletivo ALMA.

O projeto, financiado pelo poder público terminou em abril, mas rendeu frutos que vão proporcionar a continuidade a partir de crianças e jovens que estiveram nas oficinas. “Surgiu um grupo que vai visitar novos prédios para criar multiplicadores. Os próprios jovens vão conosco para conhecer outras realidades e fazer a sensibilização junto aos moradores. O projeto se chama ‘Vai brincar lá fora” e tem como mote usar a história de infância dos pais e avós para pensar a história do lugar, em um momento de integração entre as pessoas do bairro. Nesse espaço aberto, queremos pensar a questão do meio ambiente”, relata Alexandre, ressaltando a importância de abordar o meio ambiente sob a esfera local. “A temática ambiental tem um significado global, mas só se torna concreta quando é tratada sob a ótica da realidade local”, diz.

Contato com a natureza desde cedo

Realizado em duas escolas municipais de ensino infantil no bairro da Lapa, na zona oeste paulistana, o projeto Dedo Verde na Escola é financiado pelo Fundo Especial do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável – FEMA, da prefeitura de São Paulo. A ideia é trabalhar com professores e crianças da comunidade a educação para a sustentabilidade, por meio de atividades como o cultivo de hortas escolares e criação de jardins de pássaros e borboletas, transformando o ambiente escolar em local símbolo de práticas sustentáveis. “Dialogamos com os professores para saber como eles visualizam o trabalho com esse conteúdo ambiental. Inserir educação ambiental na escola não é uma coisa que vem de fora pra dentro; tem que construir com os educadores. O primeiro desafio do projeto foi lidar com o diagnóstico de que os professores não se sentiam parte do meio ambiente”, conta Mônica Pilz Borba, coordenadora institucional do Instituto 5 Elementos – Educação para a Sustentabilidade.

O problema seguinte foi inserir o espaço externo da escola nas atividades das aulas. “Uma das escolas é muito arborizada, o espaço ao ar livre é maravilhoso. No entanto, diagnosticamos que os professores não saiam da sala de aula com os alunos, porque não entendiam que esse espaço da natureza, da grama, da terra, é um espaço educador. Então, a gente vem propondo uma série de atividades educativas com pais e professores, sempre ao ar livre, aproximando-os da natureza. É o andar descalço, plantar, conhecer as minhocas, o processo de decomposição, trazer a vida para o processo de aprendizagem”, detalha Mônica.

Projetos como esse mostram a importância de trabalhar com crianças e adolescentes as questões relativas ao meio ambiente e ao desenvolvimento sustentável, com a intenção de formar gerações que tenham uma melhor consciência ambiental e uma maior participação e ação em prol do planeta. “As crianças amam as atividades. Propomos brincadeiras com a terra, com as plantas, com pequenos seres vivos; fazemos tintas com plantas e colagens com esse universo da natureza. As crianças são muito receptivas e temos mais dificuldade de trabalhar com os adultos”, finaliza Mônica.

Saiba mais!

Educação para o Desenvolvimento Sustentável: visão da educação que busca equilibrar o bem-estar humano e econômico com as tradições culturais e o respeito aos recursos naturais do planeta, utilizando métodos educacionais transdisciplinares para desenvolver uma ética para a educação permanente, além de promover o respeito às necessidades humanas, compatíveis com o uso sustentável dos recursos naturais e com as necessidades do planeta. Seu objetivo é fazer com que os cidadãos possam ter capacidade de agir por mudanças sociais e ambientais positivas por meio de uma ação participativa. Fonte: UNESCO.

Colaborou Rodrigo Herrero / Blog Educação

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: